Jovem acusa Marco Feliciano de assédio e tentativa de estupro

Marco-Feliciano-1

Nem as olimpíadas, nem Biel. A notícia do dia é a denúncia de assédio sexual de uma estudante de Brasília. A jovem de 22 anos, militante da Juventude do PSC (Partido Social Cristão), acusa o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) de assédio sexual, agressão grave e tentativa de estupro. As informações são do colunista Leandro Mazzini, do portal UOL.

O jornalista afirma ter se encontra e conversado pessoalmente com a vítima. A jovem era frequentadora da mesma igreja de Feliciano, onde teriam se conhecido. Os dois se aproximaram quando o pastor se tornou guia espiritual da estudante.

De acordo com o UOL, a agressão teria ocorrido no apartamento do parlamentar em Brasília, na manhã do dia 15 de junho. Ela levou um soco no rosto após se negar a ir para cama com Marco Feliciano.

A jovem disse ainda que o deputado queria que ela se tornasse sua amante. Em troca, ele lhe daria um alto salário e um cargo comissionado no PSC. O pastor é casado com Edileusa de Castro Silva Feliciano com quem tem três filhas.

Ao repórter, a acusante entregou alguns prints de conversas de WhatsApp que ela manteve com o deputado. Ainda segundo a jovem, há uma semana Feliciano teria pegado seu celular à força e apagado todas as mensagens entre eles, mas ela conseguiu resgatá-las no ICloud (sistema de armazenamento na nuvem dos aparelhos Smartphone da marca Apple).

De acordo com a reportagem do UOL, dois funcionários do PSC confirmaram que o número do celular era o pessoal usado pelo pastor-deputado.

Após resolver denunciar o caso e pedir ajuda a outros correligionários e membros do partido, a jovem sofreu assédio moral de diversas pessoas, incluindo políticos do PSC e assessores de Marco Feliciano. Com medo, saiu de Brasília e ficou fora de contato por algum tempo. Entretanto, após seu ex-professor Hugo Studart publicar na sua página no Facebook o caso, nomeando Feliciano e citando as iniciais da garota, ela resolveu se manifestar e admitir tudo.

Recuo e mistério

Misteriosamente, horas depois a postagem foi tirada do ar e o professor nega ter sido ele o autor da publicação.

Em seguida, a jovem, de maneira surpreendente, gravou um vídeo de poucos segundos elogiando Feliciano e chamando o professor de mentiroso. Confrontada pelo repórter do portal UOL, a estudante retirou o vídeo do ar.

Procurada, a assessoria do deputado respondeu em nota oficial desconhecer as acusações e mensagens no Whatsapp. “Informo que desconheço tais acusações e as referidas mensagens postadas. Conheço a jovem por meio de sua participação no PSC, é uma grande lutadora contra o aborto e a favor das causas sociais”, diz o texto.

Veja os prints:

Com informações do UOL e Pragmatismo Político

Acompanhe a Vamos Contextualizar no Facebook

 

 

Anúncios